abacaxi rosa http://desenvolvimentorural.com/

Abacaxi rosa recebe aprovação para comercialização

Uma nova variedade do abacaxi rosado geneticamente modificado (GM), rico em antioxidante licopeno, recebeu a aprovação para comercialização por parte da Food and Drug Administration – FDA, (Administração de Alimentos e Medicamentos dos Estados Unidos). O abacaxi rosa, produzido por Del Monte Fresh Produce, simplesmente tem alguns genes atenuados para manter a polpa da fruta mais rosada e mais doce.

O abacaxi rosa foi desenvolvido sobre expressando um gene do abacaxi e outro derivado da laranja doce (Citrus sinensis), e atenuando os genes de duas enzimas do abacaxi mediante interferência do ácido ribonucleico (ARN), para manter a polpa de frutas mais rosada e mais doce, para finalmente aumentar a produção de licopeno (um composto com propriedades anticancerígenas). “(Del Monte) apresentou informações à agência para demonstrar que a polpa do abacaxi rosa é tão segura e nutritiva quanto seus homólogos convencionais”, disse a FDA.

“O novo abacaxi Del Monte foi geneticamente modificado para produzir níveis mais baixos das enzimas que já estão no abacaxi convencional, as quais convertem o pigmento cor de rosa (licopeno) em pigmento amarelo (betacaroteno). O licopeno é o pigmento que faz os tomates vermelhos e as melancias rosadas e que é comumente consumido e tem demonstrado ser seguro. Esta variedade será cultivada na Costa Rica e a empresa a rotulou como “abacaxi rosa extra doce”.

O FDA tem afirmado há anos que as plantas geneticamente modificadas são seguras e que não há necessidade de rotular as plantas geneticamente modificadas, embora a lei federal exija a rotulagem.

“O melhoramento de cultivos acontece o tempo todo, e a engenharia genética é apenas uma maneira. Os seres humanos têm modificando os cultivos durante milhares de anos através de cruzamentos seletivos “, disse o FDA. “Os primeiros agricultores desenvolveram métodos de cruzamento para cultivar numerosas variedades de milho com uma gama de cores, tamanhos e usos. Por exemplo, os morangos de jardim que os consumidores comprar hoje resultou de um cruzamento entre uma espécie de morango nativo da América do Norte e uma espécie de morango nativo da América do Sul”.

“Nós usamos o termo engenharia genética para se referir a práticas de modificação genética que se utiliza na biotecnologia moderna. Neste processo, os cientistas fazer alterações específicas na composição genética de uma planta dando-lhe uma nova característica desejável. Por exemplo, duas novas maças foram geneticamente modificadas para resistir à oxidação associada a cortes e contusões, mediante a redução dos níveis de enzimas que causam esta oxidação”. Ver também: http://desenvolvimentorural.com/abacaxi/.

Referências:

http://www.agrobio.org/pina-rosada-geneticamente-modificada-segura-comercializar-afirma-fda/

 

Deixe uma resposta