banco móvel

Banco móvel está fazendo uma revolução nas culturas dos agricultores

Serviços bancários oferecidos através do banco móvel estão fazendo uma revolução comercial em países como o Quênia, especialmente nas áreas rurais, onde a maioria dos agricultores não possui uma conta bancária.

Agricultores que cultivam e criam pequenos animais fazem parte de um grupo de autoajuda e, através de serviços do banco móvel, conseguem economizar dinheiro e comprar comida para seus animais.

No Condado de Kakamega, localizado no oeste do Quênia, fevereiro é o mês da seca. Nas margens da estrada, as folhas e as plantas são cobertas com uma camada espessa de poeira vermelha, levantada por numerosos táxis ou motocicleta, o meio de transporte mais usado pelos habitantes da região que viajam de suas aldeias para a cidade de Kakamega, capital da região.

Os jovens do Kakamega, Programa de Desenvolvimento Rural (Kardep), uma ONG local financiada pela Biovision, viajam diariamente para visitar camponeses, mulheres, centros de autoajuda e produtores. Os quatro jovens têm menos de 30 anos e há três anos viajam diariamente entre as aldeias de sua região para realizar cursos de treinamento para agricultores sobre as várias formas de cultivos e sobre gestão das aves de capoeira.

“O principal problema que deve ser resolvido nas áreas rurais é a total impossibilidade de acesso ao crédito”, diz Wyclife, coordenadora da Kardep. “Os camponeses, a maioria analfabetos, não possuem os requisitos necessários para solicitar crédito aos bancos locais, o que também é concedido a taxas de juros muito altas. Portanto, estamos trabalhando para permitir o acesso ao microcrédito “, acrescenta. Mas como?

Em 2006, nasceu no Quênia m-Pesa, um serviço criado pela Vodafone graças a um concurso lançado pelo DFID, agência britânica de desenvolvimento internacional. O concurso consistia em encontrar uma solução para aumentar a penetração financeira para comunidades de pessoas sem conta bancária, tendo em vista os altos custos dessas estruturas financeiras. Atualmente, a m-Pesa tem 15 milhões registrados em todo o país (mais de um terço da população) e com transações monetárias mensais equivalentes a 20% do PIB do Quênia. Com o registro gratuito para o serviço, o cidadão através do seu telefone celular e sem ter que estar conectado à Internet, pode enviar dinheiro para famílias em outras cidades, pagar o serviço e acessar a financiamentos, com um custo de 27 xelins quenianos (25 centavos de euros) para as pequenas transações e grátis para movimentos ainda mais básicos.

Wycliffe estudou Desenvolvimento Local na Universidade Kakamega e seu sonho sempre foi ajudar sua comunidade fazendo uso dos recursos que a terra os oferece, com um constante interesse pelas novas tecnologias e pela inovação digital aplicada ao mundo da agricultura. “Nós fomos em frente com uma investigação e descobrimos que 95% das pessoas que vivem na nossa região têm um telefone celular”, explica o jovem coordenador do projeto. “Naquela época, entendemos que a melhor maneira de ajudar os camponeses é com educação de poupança e concessão de financiamento com taxas de juros muito baixas, através da m-Pensa, usando apenas o celular”.

O banco móvel, assim chamado internacionalmente, é um fenômeno que está revolucionando o acesso ao crédito para os mais pobres e desmantelando o monopólio dos bancos, em favor de sistemas que permitam aos que vivem longe dos centros urbanos terem o mesmo serviços que uma instituição financeira oferece, que muitas pessoas, especialmente na África, ainda não podem acessar. Pagar os recibos desde casa, poupar dinheiro desde o dispositivo e usá-lo, se necessário, ir ao mercado e comprar a fruta com um SMS. No Quênia, tudo isso é possível.

O banco móvel é uma verdadeira revolução que conquistou cerca de 10% do mercado de 13 países da África subsaariana, contribuindo para o crescimento da taxa bancária, que passou de 24% em 2011 para 34% em 2014.

O banco móvel na agricultura: uma questão de gênero.

No condado de Kakamega, a principal atividade das aldeias é a agricultura familiar e a criação de galinhas. As mulheres, que tradicionalmente são responsáveis pela administração e alimentação da família, levam este setor à frente, enquanto os maridos procuram empregos mais formais nos escritórios da cidade. “Com o celular, as mulheres podem solicitar uma recarga no ponto de venda m-Pesa mais próximo e a soma respectiva é cobrada numa conta virtual gerenciada pelo nosso projeto”, explica o jovem diretor da ONG local. “Assim, os camponeses conseguem economizar uma pequena quantidade de dinheiro todos os dias, o que de outra forma seria desperdiçado”

A questão do gênero, de fato, torna-se relevante quando os novos instrumentos tecnológicos proporcionam autonomia e alguma independência. Para a desconfiança das instituições bancárias e o afastamento dos centros urbanos, acrescenta-se a arbitrariedade dos maridos, que todos os dias, quando voltam para casa, tomam posse do dinheiro das suas esposas para aproveitá-lo. “Agora a situação para nós mulheres mudou”, diz Irene Mutuni, uma das mais velhas camponesas da região. “Basta inserir a conta pessoal através do celular e digitar o número que deseja salvar ao lado do código pessoal. Desta forma, a economia de um dia é assegurada e podemos investir esse dinheiro para comprar ferramentas de trabalho e expandir nossas atividades “, acrescenta.

Entre as verdes extensões de campos cultivados e as inacessíveis ruas de terra vermelha desta parte ocidental do Quênia, o acesso aos pontos de acesso da Safaricom representa o único elemento capaz de superar o obstáculo físico que fica entre esse mundo rural e o mundo urbano, onde um grupo de jovens usa as TIC para ajudar os camponeses da sua região a construir um novo futuro.

Ver também: Milho tolerante á seca beneficia pequenos agricultores.

Referências:

http://www.agroalimentando.com/nota.php?id_nota=1725

 

Deixe uma resposta