Espaguete saudável reduz o risco de doença cardiovascular

Cientistas da Universidade de Granada e do Centro Tecnológico de Investigação e Desenvolvimento de Alimentos Funcionais, em colaboração com duas universidades italianas desenvolveram um super espaguete de massa enriquecida elaborada com farinhas funcionais. O produto contém mais fibras e proteínas que a massa normal e ajuda a reduzir o risco de doença cardiovascular. Um único prato desse macarrão permite alcançar 70% da dose recomendada de beta-glucanos.

Os beta-glucanos são polissacáridos não amiláceos constituídos por unidades de glicose, que têm a propriedade de melhorar o sistema imunitário do corpo aumentando a sua eficácia para responder e lutar contra uma gama extensa de substâncias tóxicas como bactérias, vírus, fungos e parasitas.

A equipe, que publicou parte dos resultados na revista Food Research International, mostrou como as novas tecnologias limpas permitem obter farinhas funcionais usando o grão do cereal integral, evitando a formação de subprodutos de resíduos no processo de moagem.

Como explica Ana Maria Gómez Caravaca, principal pesquisadora do projeto, o processo de classificação permite dividir o produto da moagem em diferentes frações (frações grossas e fracções finas) mediante um procedimento físico que não altera as propriedades das frações obtidas.

“Estas fracções, devido as suas diferentes propriedades, possuem diferentes características químicas e serão utilizadas em função do produto final que se queira obter. Nosso trabalho mostrou como classificando por ar uma farinha integral de cavada é possível obter duas fracções, uma das quais é enriquecida em compostos antioxidantes e fibra solúvel (especialmente beta-glucana) e a outra contém mais proteínas “, diz o pesquisador da Universidade de Granada (UGR).

Super espaguete contém mais antioxidantes e fibras solúveis

1 super espaguete 3

 

Este estudo, que foi realizado em colaboração com duas universidades italianas (Universidade de Bolonha e da Universidade de Molise) e financiado parcialmente pela CEI BioTic, também levou à formulação de espaguete usando a fração grossa. Os resultados alcançados demonstraram que a fracção usada na formulação do espaguete permite enriquecer o produto final, tanto em compostos antioxidantes derivados de catequina como fibra solúvel (beta-glucano).

“Ao comparar o produto final obtido com os produtos já existentes no mercado, observamos que o nosso o super espaguete provou ser particularmente rico em beta-glucanos. A quantidade de beta-glucanos presentes nos espaguetes funcionais produzidos alcançaram os requisitos da Food and Drug Administration (FDA) dos Estados Unidos para poder rotular a massa como “boa fonte de fibra” e “pode reduzir o risco de doenças cardiovasculares.”

Devido a novidade tecnológica deste novo produto, a American Chemical Society (ACS) dedicou um artigo em seu site definindo o produto formulado como super espaguete, que contém mais fibra e proteína que a massa normal e ajuda a reduzir o risco de doença cardiovascular.

A professora Gómez Caravaca ressalta que os resultados até agora obtidos permitiram duas empresas italianas desenvolverem uma nova linha de massa usando as frações grossas de cevada.

“Os produtos formulados permitem com um só prato de espaguete, chegar a 70% da dose de beta-glucanos recomendado pela Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (AESA), diz o pesquisador.

Referência bibliográfica:

Ana María Gómez Caravaca, Vito Verardo, Tiziana Candigliota, Emanuele Marconi, Antonio Segura-Carretero, Alberto Fernandez-Gutierrez, Maria Fiorenza Caboni. “Uso de tecnologia de processo de classificação ar para produzir verde como farinhas funcionais de cevada alkylresorcinols naturalmente enriquecidos, beta-glucanas e compostos fenólicos”. “. Food Research International 73: 88-96, julio de 2015.

Servicio de Información y Noticias Científicas (SINC) – Agencia SINC

Agroalimentando – http://www.agroalimentando.com/nota.php?id_nota=1451

 

Deixe uma resposta